ALGÉRIA QUER TESTAR ISRAEL E VAI ENTRAR EM GUERRA COM MARROCOS!

Pinchas: ta na hora né, faz tempo que não damos um pau em vagabundo!

Em novembro, o ministro da Defesa israelense, Benny Gantz, assinou o primeiro memorando de entendimento de defesa e segurança com seu colega marroquino.

Por BENJAMIN WEINTHAL

A Argélia está em um estado de aguda ansiedade e paranóia com a crescente cooperação militar entre Israel e os militares marroquinos.

“A tensão aumenta a cada dia um pouco mais entre a Argélia e o Marrocos, a ponto de agora falarmos de guerra entre os dois países do Magrebe”, segundo uma reportagem recente do jornal L’Opinion, de Paris.

A agência de notícias citou fontes próximas aos militares argelinos que disseram: “A Argélia não quer guerra com Marrocos, mas está pronta para fazê-lo”.

Uma fonte autodenominada “falcão” próxima aos militares da Argélia disse ao jornal francês que, “se tem que ser feito, é hoje, porque somos militarmente superiores em todos os níveis e isso pode não ser o caso em alguns anos. ”

O que está perturbando o regime argelino “é o apoio de Israel ao Marrocos”, disse a fonte. “Isso mudará a situação, dentro de um período estimado de três anos.”

De acordo com uma fonte da L’Opinion, “as armas que mais preocupam os argelinos são aquelas relacionadas à guerra eletrônica e drones”.

“Por enquanto, os americanos estão dizendo aos israelenses que não forneçam sistemas de armas que possam causar um desequilíbrio militar imediato em favor do Marrocos”, disse uma fonte ao jornal diário.

Em novembro, o ministro da Defesa, Benny Gantz, assinou o primeiro memorando de entendimento de defesa e segurança com seu colega marroquino.

“Os militares marroquinos compraram o sistema israelense de contra-drones Skylock Dome”, informou o Defense News em novembro.

No mesmo mês, os meios de comunicação informaram que a Israel Aerospace Industries (IAI) garantiu um acordo de US$ 22 milhões para fornecer ao Marrocos drones “kamikaze”.

A nomeação do ex-ministro da Defesa Amir Peretz como chefe da AIA, que nasceu no Marrocos, cria preocupações adicionais para o regime da Argélia, informou o L’Opinion.

A batalha entre Marrocos e Argélia é pela “liderança na região”. disseram as fontes do jornal, acrescentando que a Argélia “deve implementar uma estratégia diplomática mais agressiva”.

“Nos últimos 10 anos, Argel comprou [mais de] duas vezes mais equipamentos (US$ 10,5 bilhões) do que Marrocos (US$ 4,5)”, disse.

EM 2018, o Marrocos, que estabeleceu a normalização diplomática com Israel em 2020, disse que a Embaixada do Irã na Argélia ajudou a organização terrorista libanesa Hezbollah em apoio ao movimento independente Polisario no Saara Ocidental controlado por marroquinos.

“O Hezbollah enviou oficiais militares para a Polisario e forneceu à frente… armas e treinou-os em guerra urbana”, disse o ministro das Relações Exteriores marroquino, Nasser Bourita.

Os EUA e dezenas de governos na Europa, Oriente Médio e América Latina classificaram o movimento jihadista Hezbollah, apoiado pelo Irã, como uma entidade terrorista.
Em 2018, o Marrocos expulsou o embaixador do Irã de seu território e fechou sua embaixada em Teerã devido ao apoio do Irã ao Hezbollah e à Frente Polisario, um movimento de independência do Saara Ocidental.

O governo dos EUA declarou que a região do Saara Ocidental faz parte do território de Marrocos.

“Um primeiro carregamento de armas foi recentemente” enviado à Frente Polisario, apoiada pelo regime argelino, por meio de um “elemento” na embaixada do regime iraniano em Argel, disse na época o ministro das Relações Exteriores marroquino, Nasser Bourita.

“Marrocos tem provas irrefutáveis, nomes e ações específicas para corroborar a cumplicidade entre a Polisario e o Hezbollah”, disse Bourita.

Observadores da Argélia notaram que a nação é um foco de retórica antissemita e anti-Israel ao longo dos anos, incluindo esforços para minar a normalização diplomática israelense-marroquina. O então primeiro-ministro da Argélia, Abdelaziz Djerad, disse após o avanço negociado pelos EUA em 2020 para estabelecer relações entre Marrocos e Israel: “Há agora um desejo da entidade sionista de se aproximar de nossas fronteiras”.

O ministro das Comunicações da Argélia, Ammar Belhimer, disse em setembro que seu país era “objeto de uma guerra real e sistemática de vários partidos, principalmente a aliança marroquina-sionista”, segundo o Morocco World News.

A Argélia está em um estado de enorme volatilidade desde que o movimento Hirak – também conhecido como Revolução dos Sorrisos – começou em fevereiro de 2019 para protestar contra o anúncio do então presidente Abdelaziz Bouteflika de que estava concorrendo a um quinto mandato. O movimento Hirak busca uma Argélia democrática.

O Jerusalem Post noticiou no ano passado que o presidente argelino Abdelmadjid Tebboune demitiu o mediador de seu país Karim Younès em 18 de maio devido ao suposto casamento de sua filha com um árabe israelense.
Michael Rubin, um especialista estrangeiro dos EUA do American Enterprise Institute, há muito argumenta que o Marrocos deveria ser saudado como um país muçulmano modelo do Oriente Médio por coisas como suas políticas pró-americanas. Em 1777, o Reino de Marrocos foi o primeiro país a reconhecer a independência americana.
Fonte: https://www.jpost.com/middle-east/article-692614

Bons Negócios  !!

Compartilhar: