AS 6 DO DIA 28/06

1- A elétrica chinesa State Grid informou nesta quinta-feira que recebeu do órgão ambiental federal Ibama a licença de operação para a segunda linha de transmissão da enorme hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, mas não detalhou quando deverá iniciar as operações. Originalmente, o projeto estava previsto para ser entregue no fim deste ano, mas a empresa anunciou anteriormente a intenção de adiantar o início das atividades. Com investimentos de 8,77 bilhões de reais, a linha tem 2.539 quilômetros e passa por Pará, Tocantins, Goiás, Minas Gerais e Rio de Janeiro. A estrutura, de cerca de 800 kV, tem ainda duas estações conversoras, com capacidade de transmissão de 4.000 MW. Em nota, a State Grid frisou que o empreendimento faz parte de um conjunto de obras necessárias para a expansão do sistema de transmissão de energia elétrica brasileiro, que irá garantir o aumento de capacidade de intercâmbio de energia entre regiões. “O empreendimento, que beneficiará cerca de 22 milhões de pessoas, atendeu a todos as condicionantes ambientais e os requisitos estabelecidos pela legislação brasileira, gerando cerca de 18 mil empregos ao longo de sua construção”, disse a chinesa. A empresa venceu em julho de 2015 leilão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para construir e operar a segunda linha de transmissão de Belo Monte.

2- A Petrobras deverá sair dos segmentos de transporte e distribuição de gás no Brasil, disse nesta quinta-feira o presidente da estatal, Roberto Castello Branco, após participar de evento na B3 que marcou a venda de ações da petroleira pela Caixa. Os comentários foram feitos depois de o governo anunciar nesta semana um plano para acabar com monopólios no transporte e distribuição de gás. Questionado sobre o assunto, Castello Branco disse que não cabe à Petrobras “fazer políticas públicas”, mas ele indicou que a companhia está afinada com o plano governamental. “Vamos abrir espaço, vendendo empresas, saindo do transporte, já começamos a andar com isso, vendendo a NTS (Nova Transportadora do Sudeste) e a TAG (Transportadora Associada de Gás)”, destacou o CEO, em referência a desinvestimentos bilionários na área de gasodutos. “Vamos aprofundar a venda de gasodutos, vamos sair da distribuição de gás e outras medidas que estão sendo discutidas com o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica)”, acrescentou.

3- O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, afirmou nesta quinta-feira, em breve declaração à imprensa, que o caso envolvendo a prisão do militar da Aeronáutica transportando cocaína em Sevilha, na Espanha, é “inadmissível” e que ele será julgado “sem condescendência” porque houve “quebra de confiança”. “Não vamos admitir criminosos entre nós. Nesse caso, houve quebra de confiança. Esse lamentável caso é fato isolado no seio dos integrantes das Forças Armadas, que gozam dos mais elevados índices de credibilidade junto à população brasileira”, disse o ministro, que não permaneceu no auditório do Ministério da Defesa para uma rápida entrevista coletiva sobre o assunto. Na terça-feira, um sargento brasileiro da Força Aérea Brasileia (FAB), que era parte de uma aeronave de apoio ao presidente Jair Bolsonaro, foi preso na Espanha por levar 39 quilos de cocaína no avião. O porta-voz da FAB, major Daniel Oliveira, disse que foi instaurado um inquérito sobre o caso e que a investigação está sob sigilo. Foi perguntado por várias vezes se o militar detido, quando embarcou de Brasília para Sevilha, passou por um aparelho de raio-X, mas não houve resposta. “Os voos da FAB, em geral, de certa forma, existem procedimentos… Vai depender da infraestrutura de cada aeroporto. São submetidos a revistas, a tipo de inspeção a ser comprovado”, disse Oliveira. Segundo o porta-voz, o inquérito sobre o caso tem prazo de 40 dias, prorrogáveis por mais 20 dias, para ser concluído. Posteriormente, se houver elementos, o militar poderá ser denunciado, processado e condenado, disse. Uma das penas acessórias é a exclusão dele do quadro das Forças Armadas. A investigação do episódio no Brasil não impede a apuração do crime cometido pelo militar fora do país, informou o porta-voz. Ele disse que o militar detido integra o quadro de tripulantes da aeronave reserva da FAB desde 2016 e que a investigação vai apurar a atuação dele. Na quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro afirmou no Twitter se referiu ao episódio como “inaceitável”. “Apesar de não ter relação com minha equipe, o episódio de ontem (terça-feira), ocorrido na Espanha, é inaceitável. Exigi investigação imediata e punição severa ao responsável pelo material entorpecente encontrado no avião da FAB. Não toleraremos tamanho desrespeito ao nosso país!”, disse Bolsonaro.

4- A Bovespa passou boa parte do pregão, ontem, no vermelho, em parte por um menor otimismo quanto ao encaminhamento da Reforma da Previdência na comissão especial da Câmara, depois que foi adiada para terça-feira a leitura do voto complementar, na esteira da dificuldade de incluir Estados e municípios na proposta. Mas, como é um momento em que o humor muda a cada nova declaração, o Ibovespa virou no meio da tarde, impulsionado por uma fala do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que disse haver muitas pendências na PEC da reforma, mas que o texto está bem encaminhado para votação na semana que vem e para ir ao plenário até o recesso. Ele também reiterou que não haverá desidratação do projeto.  Ajudou, também, o ministro da Economia, Paulo Guedes, dizer que o governo e os líderes no Congresso estão engajados em uma “construção coletiva” da Reforma da Previdência. Guedes ainda falou que estima que mudanças nos depósitos compulsórios dos bancos, anunciadas ontem pelo Banco Central, devem liberar R$100 bilhões para crédito. No exterior, por um lado, ajudou a melhorar o humor os indicadores de PIB e de pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos em linha com o consenso, afastando maiores temores de desaceleração na maior economia do mundo, o que fez com que as bolsas em Nova Iorque avançassem. Esse avanço, contudo, não foi maior porque o mercado vive a expectativa da reunião entre os presidentes Donald Trump e Xi Jinping na cúpula do G-20 neste final de semana, quando devem conversar a respeito de um possível acordo para pôr fim às disputas comerciais que já penalizam a economia global. As notícias a respeito do tema estão desencontradas, ora demonstrando algum passo à frente, ora algum passo atrás. Alguns veículos sugerem que a China pretende apresentar condições para retomar as negociações.  Ao mesmo tempo, há ceticismo sobre a possibilidade de Trump acenar positivamente aos pedidos de Xi, que se resumiriam à remoção das sobretaxas às importações chinesas e das restrições às operações das empresas de tecnologia do país asiático nos EUA.

5- O Ibovespa fechou próximo da estabilidade, em alta de 0,04%, a 100.723 pontos, puxado por GPA PN e B3 ON. Os juros fecharam com queda em bloco. O DI com vencimento para janeiro próximo encerrou em queda de 1 ponto-base, a 6,015%. No início da noite, o Conselho Monetário Nacional (CMN), ligado ao Ministério da Economia, fixou a meta de inflação em 3,5%, para 2022, o que pode movimentar os juros nessa sexta-feira. Amanhã, não há eventos programados em relação à Reforma da Previdência. No entanto, o investidor deve estar atento a toda e qualquer fala dos envolvidos a respeito do tema. Pode haver, por exemplo, novidades quanto à inclusão dos Estados e municípios no projeto. Em relação aos indicadores econômicos, teremos dados de PIB no Reino Unido e de inflação ao consumidor na União Europeia, além de gastos pessoais e renda nos EUA. Por aqui, o Banco Central irá divulgar a relação entre PIB e dívida referente a maio e o superávit orçamentário.

6- Os mercados asiáticos terminaram em baixa hoje, com ações na China liderando a região. O Shanghai Composite caiu 0,60%, enquanto o Nikkei 225 do Japão caiu 0,29% e o Hang Seng de Hong Kong, 0,28%. Os mercados europeus estão hoje mais altos, com ações na Alemanha liderando a região. O DAX subiu 0,56%, enquanto o FTSE 100 de Londres subiu 0,22% e o CAC 40 da França subiu 0,14%. Futuros americanos apontam para uma abertura em alta , a frente do comunicado do G20 e , em especial, noticias sobre a reunião entre Trump e Xi.

Bons Negócios !!_____________________Yochanan Pinchas

Compartilhar:

Be the first to comment

Leave a Reply