AS QUENTES DO DIA 28/06

1- A elétrica CPFL Energia informou que aumentou o tamanho de sua oferta pública de ações em 15%, com um lote suplementar de cerca de 17,5 milhões de ações. Dessa forma, o resultado final da oferta consistirá na distribuição total de 134.339.694 ações ordinárias, ofertadas a um preço de 27,50 reais, totalizando um volume de cerca de 3,7 bilhões de reais.

2- A elétrica italiana Enel, controladora da distribuidora Enel Distribuição São Paulo, ex-Eletropaulo, fará uma nova oferta pública de aquisição (OPA) para todas ações da empresa que não estão em suas mãos, informou a companhia em fato relevante. A notícia fez dispararem as ações da empresa de distribuição paulista, que operavam em alta de cerca de 35% por volta das 16h, uma vez que a proposta dos italianos prevê um valor por papel bem superior ao fechamento da véspera, de 34,10 reais por ação. A oferta será de 48,28 reais por ação, pelos 8,13 milhões de papéis em circulação da elétrica, ou 4,05% do capital total, informou a empresa na véspera, movimentando mais de 392 milhões de reais.

3- O Conselho Monetário Nacional (CMN) fixou nesta quinta-feira em 3,50% a meta de inflação para 2022 pelo IPCA, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual, para mais ou para menos. Trata-se de uma redução em relação às metas para até 2021. Os alvos para 2019, 2020 e 2021 são de 4,25%, 4,00% e 3,75%, respectivamente, todos com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. Em coletiva para comentar a decisão, o secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida, destacou que a decisão de diminuir a meta não implica que o Banco Central precisará subir os juros à frente. Segundo ele, é importante que se tenha meta baixa porque ela ancora as expectativas para os preços. Também na coletiva, o subsecretário de Política Macroeconômica, Vladimir Kuhl Teles, disse que a fixação de uma meta menor para a inflação é explicada em parte pelo otimismo sobre o futuro. “A partir do momento que você determina uma meta (de inflação) futura mais baixa e ela é crível, você não vai precisar aumentar juros” para eventuais ajustes de preços, disse Teles. As expectativas de inflação no Brasil têm permanecido baixas mesmo com a Selic em sua mínima histórica (6,50% ao ano) e a despeito da expectativa do mercado pela retomada de flexibilização monetária nos próximos meses pelo Banco Central. Analistas consultados pelo BC estimam alta de 3,82% para o IPCA em 2019, de 3,95% para 2020 e de 3,75% para 2021 e 2022, segundo a mais recente edição da pesquisa Focus. Ao mesmo tempo, o mercado prevê que a Selic cairá para 5,75% ao fim de 2019, ante os atuais 6,50%. No Relatório Trimestral de Inflação (RTI), divulgado mais cedo nesta quinta-feira, o BC previu inflação de 3,6% em 2019 e de 3,9% em 2020, em cenário que considera trajetórias de juros e câmbio previstas pelo mercado.

4- O presidente da China Xi Jinping apresentará uma lista de exigências ao presidente norte-americano Donald Trump antes do encontro do G20, de acordo com a reportagem do WSJ. Dentre as pré-condições para o fechamento do acordo, de acordo com oficiais do governo chinês, Pequim insiste que Washington remova o banimento das vendas da Huawei e retire as tarifas a produtos chineses.
Além disso, Jinping deseja que os EUA criem incentivos para elevar a compra de produtos norte-americanos, elevando as exportações da maior economia do mundo. O secretário do comércio dos EUA Robert Lighthizer e o vice-premiê da China Liu He tiveram nesta semana conversas telefônicas para adiantamento das negociações. A postura de Xi Jinping será pacificadora, inclusive se dispondo a atuar como negociador na questão geopolítica do Irã e da Coreia do Norte.
O encontro entre os dois presidentes das duas maiores economias do mundo ocorrerá em almoço no próximo sábado (29).

5- O Pão de Açúcar (PCAR4) revelou os detalhes da sua reestruturação operacional e societária no Brasil, mostra um comunicado enviado ao mercado nesta quarta-feira (26). De acordo com o documento, o controlador da rede de supermercados Casino enviou a proposta para a apreciação do Conselho da brasileira. Ela inclui uma potencial transação que resultará na simplificação da presença da companhia francesa na América Latina. A proposta envolve três pontos principais:
1 – uma oferta pública a ser lançada pelo Pão de Açúcar para a aquisição, em dinheiro, da colombiana Almacenes Éxito; 2 – A aquisição pelo Casino da totalidade das ações de controle de emissão do GPA atualmente detidas indiretamente pelo Éxito “a preço justo”;
3 – A migração para o Novo Mercado, segmento de mais elevado nível de governança da B3, com a conversão da totalidade das ações preferenciais em ordinárias à razão de 1 para 1.

6- A Vale (VALE3) anunciou mudanças em suas diretorias para ampliar a atenção conferida ao segmento de carvão, mostra um comunicado enviado ao mercado na noite desta quinta-feira (28). Segundo a nota, a Marcello Spinelli estará exclusivamente dedicado à Diretoria Executiva de Ferrosos, ficando a cargo de Juarez Saliba a Diretoria de Carvão. “Juarez, que manterá suas funções da Diretoria de Estratégia, Exploração, Novos Negócios e Tecnologia, possui ampla e sólida experiência na indústria da mineração e grande conhecimento a respeito das atividades da Vale, onde já havia atuado por 17 anos. Antes de retornar à Vale em 2017, atuou como executivo e consultor de diversas empresas no Brasil e no exterior”, indica o documento. O executivo tem o desafio de estabilizar a produção para o desenvolvimento sustentável e perene do negócio de carvão.

Bons Negócios !!_____________________Yochanan Pinchas

Compartilhar:

Be the first to comment

Leave a Reply