COMO FICA O ACORDO NUCLEAR DO IRÃ DEPOIS DO ATACA DE ISRAEL A USINA ATÔMICA NATANZ?

Este artigo é publicado com a permissão do BESA , Centro de Estudos Estratégicos Begin-Sadat https://besacenter.org/

Por

Documento de Perspectivas do Centro BESA nº 1.997, 14 de abril de 2021

SUMÁRIO EXECUTIVO: Nas horas da manhã de 11 de abril, a instalação nuclear de Natanz no Irã foi atacada, supostamente por Israel. A greve aconteceu em um momento delicado, enquanto o Irã e as potências mundiais discutiam o retorno de Washington ao Plano Conjunto de Ação Abrangente (JCPOA) e a remoção das sanções. De acordo com estimativas israelenses, como a República Islâmica não deseja comprometer o retorno dos EUA ao JCPOA, sua resposta ao ataque de Natanz será provavelmente tardia e altamente circunscrita.

Em 11 de abril de 2021, a Organização de Energia Atômica do Irã (AEOI) anunciou que sua instalação nuclear de Natanz havia sofrido um acidente que causou um apagão. Algumas horas depois, o chefe da AEOI, Ali Akbar Salehi, afirmou que o acidente foi na verdade uma sabotagem. O ataque resultou em uma explosão e, de acordo com o Ministério da Inteligência iraniano, um culpado foi identificado e está sendo procurado.

Esta não é a primeira vez que a instalação nuclear de Natanz é atacada. Acredita-se que o primeiro ataque tenha ocorrido em 2007, quando a instalação foi alvo de um ataque cibernético conjunto israelense-norte-americano. O ataque inseriu um vírus de computador malicioso, Stuxnet, nos sistemas da instalação, resultando em grandes danos. O último ataque conhecido a Natanz antes do blecaute de 11 de abril foi em julho de 2020, quando uma explosão na instalação causou sérios danos às centrífugas.

O último ataque a Natanz ocorreu apenas um dia depois que o regime islâmico, em violação do Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA) de 2015, lançou centrífugas avançadas de enriquecimento de urânio no local.

Enquanto ainda não foi determinado quem estava por trás do ataque, a mídia iraniana colocou a culpa em Israel. O Jerusalem Post afirma que a organização de inteligência israelense, Mossad, é de fato o provável culpado.

Por que o ataque ocorreu?

Mesmo antes de Joe Biden vencer a eleição presidencial dos Estados Unidos, estava claro para os especialistas do Irã que um governo democrata voltaria ao JCPOA, que o presidente Trump havia deixado durante o mandato. Os estados árabes sunitas e Israel não estão satisfeitos com a maneira como o presidente Biden e seu Representante Especial para o Irã, Robert Malley, estão abordando o país. Muitos observadores acreditam que os EUA estão preparados para suspender todas as sanções contra o Irã e retornar cegamente ao JCPOA.

O lançamento de suas centrífugas avançadas de enriquecimento de urânio em Teerã pode ter sido a razão pela qual Israel decidiu atacar Natanz agora. Acredita-se que o ataque tenha causado danos suficientes à instalação para atrasar o programa de armas nucleares do regime islâmico e, portanto, foi um aviso a Teerã de que Israel não tolerará esses avanços. O ataque também foi um sinal para o governo Biden de que Israel continuará suas operações no Irã conforme julgar necessário, independentemente de quaisquer acordos que os EUA possam fazer com o país.

Na semana passada, o Irã se reuniu com potências mundiais em Viena para discutir o JCPOA. As negociações serão retomadas na próxima semana, e há uma forte possibilidade de que Irã e EUA também se encontrem. Como Israel se opõe ao JCPOA como está atualmente, o ataque a Natanz pode ter sido uma forma de aumentar a pressão sobre Teerã enquanto comunicava sua posição ao governo Biden.

O Irã e os EUA podem não optar por abrir as negociações, mas não há dúvida de que eles estão engajados em negociações a portas fechadas. Em vista do progresso feito em Viena na semana passada, pode muito bem ser que o Irã, os EUA e as outras potências mundiais já tenham chegado a um acordo facilitando a remoção das sanções e o retorno dos EUA ao JCPOA. Se for esse o caso, o ataque a Natanz poderia ser uma reação israelense a qualquer entendimento entre os EUA e o Irã.

Como o Irã responderá?

A FM iraniana culpou Israel pelo ataque e disse que o Irã se vingará. O jornal iraniano Kayhan, que está ligado ao Líder Supremo, culpou Israel, os EUA e estados europeus não identificados pelo ataque e disse que o Irã deve deixar as negociações do JCPOA e punir Israel.

O Irã se encontra em uma posição difícil. O ataque de Natanz é apenas um de uma série de falhas de inteligência e contra-inteligência que a República Islâmica sofreu nos últimos anos. Embora esteja constantemente ameaçando retaliar, Teerã ainda não o fez. Desta vez será diferente?

O regime entende que uma resposta dura pode prejudicar as negociações do JCPOA. O Irã quer nada mais do que os EUA voltem ao acordo para que as sanções paralisantes possam ser levantadas. Rouhani tentará, portanto, convencer o Líder Supremo e os principais líderes do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) a conterem o fogo até que as negociações de Viena terminem e os EUA tenham reentrado no JCPOA. Isso é essencial para o presidente iraniano, cuja administração tem estado sob forte ataque e críticas por um longo tempo de outras facções políticas iranianas, incluindo o IRGC.

Como o último ataque de Natanz é mais um indicador humilhante da má qualidade da segurança e inteligência iraniana, Rouhani e companhia podem não ter o poder nem a vontade de interromper uma resposta do regime.

Ainda assim, de acordo com fontes israelenses, o Irã provavelmente manterá sua pólvora seca por enquanto (ou retaliará de uma forma altamente circunscrita) para não provocar o governo Biden ou os democratas americanos amigos de Israel, que podem virar as costas ao pró de Biden -Política do Irã. Assim que os EUA voltarem ao JCPOA, o Irã provavelmente se considerará livre para realizar ataques mais vigorosos a Israel e aos interesses israelenses, seja diretamente ou por meio de milícias xiitas representativas no Líbano (Hezbollah), Síria, Iraque ou Iêmen.

O Dr. Ardavan Khoshnood, associado não residente do Centro BESA, é criminologista e cientista político licenciado em Análise de Inteligência. Ele também é professor associado de Medicina de Emergência na Lund University, na Suécia. @ardavank

Fonte: The Attack on Natanz and the JCPOA (besacenter.org)

Bons Negócios  !!

Compartilhar:

Be the first to comment

Leave a Reply