MELHORES DO DIA 16/09 FUX RESTRINGE TOFFOLI E MANDA PARAR DE SOLTAR BANDIDO (VÍDEO INÉDITO)

1-  Crédito extraordinário de quase R$ 265 milhões vai permitir que o Ministério da Educação use o recurso em gastos adicionais com a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) e do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira (Revalida). Os exames exigirão o cumprimento dos protocolos de saúde pública e de distanciamento social para evitar o contágio do novo corona vírus (covid-19). O crédito está previsto na Medida Provisória (MP) 1.001/20 assinada pelo presidente Jair Bolsonaro.

2-  O presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, decidiu restringir casos em que presos podem ser soltos em função da covid-19. De acordo com a Recomendação nº 78, assinada hoje (15) pelo ministro, pessoas acusadas de corrupção, lavagem de dinheiro, crimes hediondos e violência doméstica não poderão ser beneficiadas com a revisão da prisão provisória ou do regime de cumprimento de pena. É o primeiro ato de Fux na presidência do CNJ.  A decisão do ministro restringe a Recomendação nº 62, editada em março pelo ex-presidente Dias Toffoli. A norma anterior abriu a possibilidade de soltura a todos os presos.  Ao reformular a norma, Fux justificou que o país não pode “retroceder no combate à criminalidade organizada e no enfrentamento à corrupção”. Além disso, o ministro levou em conta o aumento dos casos de violência doméstica durante a pandemia.

3-Os futuros dos índices americanos e as bolsas europeias sobem neste início da esperada Super quarta de setembro, dia em que saem decisões dos bancos centrais do Brasil, do Japão e dos Estados Unidos. A aparente trégua na espiral dos papéis de empresas de tecnologia americanas, que sustentou a queda das bolsas nas duas semanas anteriores, ajuda a manter um clima de otimismo enquanto os mercados se preparam para uma aguardada mudança de comunicado na decisão do Federal Reserve desta tarde, a primeira desde o anúncio das mudanças da autarquia na abordagem à inflação no país. Não se esperam alterações nas taxas de juros, mas possíveis indicações sobre a atividade econômica e a continuidade dos incentivos do Fed por um período mais longo, que também divulgará as projeções macroeconômicas, com possível manutenção das taxas de juros perto de zero até 2023.

4-  No Japão, a decisão de política monetária da madrugada, que também não deve trazer grandes novidades, vem acompanhada da eleição de Yoshihide Suga no parlamento japonês como novo primeiro-ministro do país, após a oficialização da saída de Shinzo Abe. O desafio de Suga será estimular o emprego no período pós-pandemia e a expectativa do mercado é que o Banco do Japão concentre a decisão das próximas horas no fornecimento de liquidez e medidas para facilitar o crédito a empresas. Já no Brasil, o Comitê de Política Monetária do Banco Central divulga a decisão sobre a taxa básica de juros, a Selic, a partir das 18h00 – o consenso TC é de manutenção do patamar histórico de 2,00%, com atenção às indicações sobre os próximos passos do BC em meio à alta recente da inflação dos alimentos e ambiente de incerteza sobre rumo das contas públicas. O dia ainda deve ter alguma repercussão do cancelamento das negociações sobre o Renda Brasil pelo presidente Jair Bolsonaro e sua relação com a equipe econômica.

Bons Negócios !! _____________Yochanan Pinchas

Be the first to comment

Leave a Reply