VÍRUS CHINÊS 22/02: FIOCRUZ GARANTE 220 MILHÕES DE VACINAS, VEJA SEU ESTADO, SEU PAÍS

Um manifestante segura um cartaz onde se lê ‘Mentirosos’ durante um protesto realizado por empresários contra as medidas restritivas postas em prática para combater as infecções por doença coronavírus (COVID-19) [Guglielmo Mangiapane / Reuters]

Brasil: o total de mortes é de 246.504 desde o início da pandemia. O número de casos chegou a 10.168.174, sendo 29.026 novos casos. Desse total, 826.187 (8,1%) seguem em acompanhamento. O número de recuperados está em patamar estável, com 89,5% das pessoas infectadas já estão curadas da doença. Segundo o Ministério da Saúde, 9.095.483 pessoas são consideradas recuperadas.

No mapa estadual da covid-19, o cenário semanal permanece sem grandes alterações. São Paulo continua em 1º em infecções e óbitos, com 1.975.927 casos registrados e 57.799 mortes em decorrência do novo coronavírus. Minas Gerais e Bahia seguem em 2º e 3º lugar, com 840.315 casos e 17.714 óbitos e 653.335 casos e 11.191 óbitos, respectivamente.

O número de pessoas vacinadas contra a covid-19 no Brasil chegou neste sábado, 20, a 5.853.753, de acordo com dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa. A quantidade representa 2,76% da população total do País.

Milhares de trabalhadores da linha de frente na Austrália começaram a receber a vacina COVID-19, com políticos e autoridades de saúde descrevendo o dia como um “marco”. A primeira pessoa a receber a vacina Pfizer esta manhã foi a diretora médica de prevenção de infecções da Monash Health, Rhonda Stuart, em Melbourne, que foi injetada logo após as 7h30 EDT. Em NSW, a Premier Gladys Berejiklian disse que esperava que 1.200 pessoas recebessem a vacina hoje, cerca de 500 delas no Royal Prince Alfred Hospital (RPA) e o restante nos hospitaisWestmead e Liverpool. A primeira pessoa na RPA a ser agredida foi a limpadora de quarentena de hotel Gaya Vellangalloor Srinivasan, que ficou exultante. “É muito bom ser a primeira pessoa”, disse ela. “Está acontecendo, está realmente acontecendo, então me senti tão animada.”
Quase 3 milhões de israelenses foram vacinados com a segunda dose do novo coronavírus na manhã de segunda-feira, de acordo com o ministro da Saúde, Yuli Edelstein. No total, 4,377 milhões de israelenses receberam pelo menos a primeira dose da vacina. No domingo, 157.000 israelenses receberam a vacina, com 80.000 recebendo a segunda dose.
Delineando novos desafios enquanto tenta superar uma terceira onda da pandemia, o Japão confirmou na sexta-feira a disseminação de uma nova variante COVID-19, bem como um cluster de infecção em uma instalação de imigração em Tóquio. A nova variante foi identificada em 91 casos na área de Kanto e em 2 casos em aeroportos. Entre as alterações observadas na nova cepa está a chamada mutação E484K, que também foi identificada em algumas outras cepas e pode prejudicar a eficácia das vacinas. Novos casos COVID-19 de domingo (e do último domingo) por prefeitura (20 ou mais): Tóquio 272 (371), Chiba 163 (108), Kanagawa 100 (108), Saitama 84 (131), Hokkaido 63 (52), Osaka 60 (98), Ibaraki 46 (38), Aichi 33 (77), Fukuoka 32 (69), Hyogo 27 (44).
Roma, Itália – Paolo Bianchini não prestou muita atenção às 35 mudanças de governo que ocorreram durante sua vida – até este ano. Bianchini, 44, é dono de um restaurante em Viterbo, a cerca de 80 quilômetros da capital, Roma. Mas o negócio que ele possui há 20 anos está por um fio, já que medidas de apoio no valor de 32 bilhões de euros (US $ 39 bilhões) para atividades devastadas pela pandemia foram novamente suspensas. “Não precisamos de um governo diferente, precisamos de medidas”, disse Alessandro Berardi, 38, que abriu um novo restaurante na cidade de Rapallo, no noroeste, em maio de 2019. Até agora, recebeu 4.000 euros (US $ 4.860) do estado.
Por Vinícius Lisboa – repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) afirmou hoje (21) que deve ser assinado até março o contrato com a farmacêutica AstraZeneca que detalha a transferência de tecnologia para a produção do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) da vacina Oxford no Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos (Bio-Manguinhos). A empresa anglo-sueca é desenvolvedora da vacina em parceria com a universidade britânica.

A Fiocruz informou que, inicialmente, havia a previsão de que o contrato fosse assinado ainda em 2020. “No entanto, o grau de detalhamento necessário para esse tipo de documentação exigiu um tempo maior de preparação”, diz a fundação.

A não assinatura do contrato de detalhamento, segundo a Fiocruz, não impactou o cronograma atual de entrega das vacinas, já que, neste momento, as vacinas são produzidas a partir de IFA importado do laboratório WuXi Biologics, na China. Entenda o que é o IFA.

O acordo de encomenda tecnológica entre a Fiocruz e a farmacêutica AstraZeneca prevê que, até julho, 100,4 milhões de doses sejam produzidas a partir de IFA importado. A partir desse acordo, a Fiocruz já incorporou a tecnologia necessária para formular a vacina utilizando IFA importado e iniciou a produção das doses.

Esse acordo também prevê parâmetros gerais para a transferência de tecnologia, que precisam ser detalhados no contrato específico que ainda não foi assinado. Apesar disso, a fundação já trabalha na preparação da estrutura necessária para iniciar a produção do IFA nacional, que permitirá a produção de mais 110 milhões de doses no segundo semestre.

“A planta industrial de Bio-Manguinhos/Fiocruz já está sendo adaptada para essa produção e a previsão é de que esteja pronta em abril para a produção nacional do IFA. O início e a conclusão desse processo de transferência para a produção nacional do IFA, bem como as entregas de vacinas integralmente produzidas por Bio-Manguinhos/Fiocruz, previstas para o segundo semestre, estarão detalhadas em cronograma a ser pactuado no contrato de transferência”.

Procurada pela Agência Brasil, a AstraZeneca também informou que o acordo de transferência de tecnologia para a produção do IFA no Brasil está em negociação, que deve ser concluída em breve. “A AstraZeneca está trabalhando diariamente para viabilizar a transferência de tecnologia para produção do IFA o mais rápido possível”, afirma a nota.

Novos lotes
Fiocruz e AstraZeneca lembram ainda que mais dois lotes de IFA importado chegarão ao Brasil nesta semana, para a produção de mais 12 milhões de doses da vacina contra covid-19. A Fiocruz prevê entregar ao Programa Nacional de Imunizações 15 milhões de doses da vacina Oxford/AstraZeneca até o fim de março, e aumentar o ritmo de produção a partir de abril.

Além disso, Fiocruz, AstraZeneca e Instituto Serum, da Índia, acertaram a importação de mais uma remessa com 2 milhões de doses prontas da vacina de Oxford produzidas pelo laboratório indiano. Os imunizantes iniciarão a viagem em direção ao Brasil amanhã, em um voo que vai decolar de Mumbai, e devem chegar a São Paulo na manhã de terça-feira (23). Assim que desembarcarem no Brasil, as doses serão encaminhadas a Bio-Manguinhos, no Rio de Janeiro, onde serão rotuladas antes de serem entregues ao Ministério da Saúde.

Edição: Claudia Felczak Fonte:https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2021-02/fiocruz-deve-assinar-transferencia-de-tecnologia-do-ifa-ate-marco

Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil;

Bons Negócios  !!

Be the first to comment

Leave a Reply